Sérgio de Miranda é vice-presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no Rio Grande do Sul.

Como parte de seu site especial de cinco anos de fundação, o Portal CTB entrevistou Sérgio de Miranda, vice-presidente da CTB-RS e secretário de Política Agrícola e Agrária da CTB nacional, que analisou a trajetória da central (com sua atuação destacada no campo), reforçou as principais bandeiras de lutas como  a unicidade e a contribuição sindical para o fortalecimento dos trabalhadores rurais e traçou uma perspectiva para o futuro da CTB.


Confira a entrevista:


Portal CTB - O balanço que se faz a respeito dos cinco anos da CTB é positivo, sem dúvida. O que fez a diferença nessa trajetória?


Sérgio de Miranda – O que fez a diferença ao longo desse período foram as posições assumidas pela CTB, que mantém uma forte presença em todas as ações e lutas dos trabalhadores. A Central liderou diversas ações importantes, entre elas a que se refere ao fim da Portaria 186 (facilitou a criação de sindicatos de forma desorganizada e sem critérios), bem como em todas as demais atividades que dizem respeito à classe trabalhadora, seja a luta pela unicidade sindical, a redução na jornada de trabalho, o fim do fator previdenciário, o fortalecimento da agricultura familiar e a reforma agrária. Então, a CTB foi se consolidando nesses cinco anos exatamente pela sua postura e liderança em relação às lutas da classe trabalhadora.


Portal CTB - A CTB realiza um forte trabalho no campo brasileiro. Qual a importância da CTB para os trabalhadores e trabalhadoras rurais?


Sérgio - Desde a sua fundação, a CTB tem mostrado um lado diferente, tem tido uma posição significativa e um olhar para os trabalhadores rurais. Tanto isso é verdade que um bom número de federações, que não estava filiada a nenhuma central, e inúmeros Sindicatos dos Trabalhadores Rurais passaram a se filiar à CTB exatamente por ver na entidade uma preocupação com as lutas dos trabalhadores rurais, da agricultura familiar, dos assalariados rurais e pela reforma agrária. Em síntese, ela tem assumido as lutas que são do Movimento Sindical dos Trabalhadores e das Trabalhadoras Rurais (MSTTR). A CTB não criou pauta nova para o campo, mas sim assumiu as reivindicações das Fetags e Contag.

       

Portal CTB - Dentro de várias conquistas ao longo desses cinco anos, quais você destacaria?


Sérgio - A grande conquista da CTB foi se organizar, consolidar e fortalecer em todos os estados, liderando as lutas e grandes ações do conjunto dos trabalhadores. Além disso, podemos destacar alguns temas que são relevantes, tais como o salário mínimo, em que temos uma política nacional fruto da luta e da mobilização das centrais, cuja vanguarda foi da CTB. Na mudança do Novo Código Florestal, a CTB assumiu, se posicionou e esteve ao lado dos trabalhadores rurais na defesa dos principais pontos que interessam especificamente à agricultura familiar. Uma grande conquista da CTB foi ter realizado, junto às demais centrais, a Conferência Nacional da Classe Trabalhadora (Conclat), que aconteceu em 2010, no Estádio Pacaembu, em São Paulo, com mais de 30 mil trabalhadores. 


Portal CTB - Uma das principais bandeiras defendidas pela CTB nesse ano de 2012 foi a da unicidade sindical e da contribuição sindical. Qual a importância dessa iniciativa para os trabalhadores do campo?


Sérgio - Os trabalhadores do campo, quase em sua totalidade, têm defendido a unicidade sindical, que é a proposta da CTB. Nós entendemos isso como algo importante em nossa organização, pois os trabalhadores precisam de entidades fortes. Também defendemos a manutenção da contribuição sindical, uma vez que movimento sindical de luta e de força se faz com recursos. E a unicidade vai garantir mais força e organização para o conjunto dos trabalhadores. Não são, com certeza, os trabalhadores que querem provocar divisão no movimento sindical, mais sim unidade e luta.


Portal CTB - Quais as perspectivas para a CTB em relação ao seu crescimento para os próximos anos dentro do sindicalismo rural?


Sérgio - A CTB vai crescer, sem dúvida, porque tem postura definida e posições claras em relação aos mais diferentes temas que interessam aos trabalhadores, sejam eles rurais ou urbanos. E isso é o que vai fazer, sem dúvida nenhuma, esse crescimento acontecer. Ainda temos vários sindicatos sem filiação a qualquer central e vamos buscar as filiações junto aos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais. Acredito, ainda, que o fator preponderante para a expansão da CTB é continuar com posições firmes na defesa dos interesses dos trabalhadores, na unicidade sindical, por sinal uma das grandes bandeiras, que faz com que os trabalhadores se sintam bem representados pela CTB. 


Paula Farias – Portal CTB