Chapa 2: Cpers Unido e Forte - Oposição de Verdade

Conhecida como Cpers Unido e Forte, a Chapa 2 foi eleita no dia 11 de junho para a nova diretoria do sindicato, e pretende a partir de agora fazer oposição de verdade contra antiga diretoria do sindicato. Com o objetivo de resgatar e reconstruir o Cpers para os trabalhadores em educação, o grupo firma diversos compromissos para que se chegue a uma educação pública de qualidade. 


Veja os compromissos abaixo:


Pagamento do Piso Nacional no nosso Plano de Carreira


Cumprimento de 1/3 da hora atividade, estipulada em Lei


Lutar por uma nova lei do vale refeição, sem desconto


Reforma do Ensino Médio: discutir com a categoria de forma responsável, buscar suas contribuições e abrir negociação com o governo para as mudanças necessárias


Realização de novos concursos e nomeação imediata dos já aprovados


Cursos de formação para funcionários de escola


Publicação de todas as promoções com efeito retroativo, incluindo os aposentados


Defesa, manutenção e melhoria do IPE Saúde


Abaixo, leia entrevista com Solange da Silva Carvalho, educadora, integrante do Núcleo Estadual de Base dos Professores da CTB-RS, e nova vice-presidente do Cpers.


O que a Chapa 2 representa para os principais anseios do CPERS?


Solange - Uma alternativa de mudança na direção do Cpers Sindicato apresentada por um grupo de educadores sérios, comprometidos com a luta específica da categoria, e objetivando ampliar as conquistas dos educadores. Pretendemos ser uma diretoria que ouça a base, respeite as suas decisões, e faça os debates pedagógicos, além da formação política e sindical.


Quais os objetivos, que enxerga, como urgentes e necessários de imediato?


Solange - Resgatar a credibilidade da entidade junto à categoria, através de ações de luta responsáveis, aliando ação e diálogo, luta e negociação para garantir avanços nos direitos da categoria.


Prováveis desafios que a diretoria, caso eleita, enfrentará?


Solange - Trazer os associados de volta para as atividades promovidas pelo Cpers, transformar o sindicato na referência de luta que simbolize e represente realmente os cerca de 82 mil sócios. Um sindicato deve ser uma ferramenta de luta de sua categoria, e também participar das lutas sociais gerais,contribuindo para  minimizar as injustiças da sociedade atual.


Como educadora, qual a sua maior insatisfação com a educação no Rio Grande do Sul?


Solange - A aplicação do Ensino médio politécnico aconteceu sem um debate mais aprofundado com os principais interessados, os pais, alunos e professores. Um fato que gerou e ainda gera muita insatisfação.


Apesar de realizar concursos para professores, as nomeações foram poucas. As condições de trabalho ainda precisam ser melhoradas, a aplicação da Lei do Piso deve ser respeitada, bem como 1/3 da hora atividade precisa ser implantada, contribuindo para o trabalho dos educadores.


Defendo a realização de concurso para funcionários de escola e a nomeação dos aprovado. Sou contrária a terceirização no serviço público.


Qual foi a importância da CTB no processo eleitoral?


A CTB possui um caráter de unidade e amplitude, visando a construção de um programa de atuação sindical que contemple os diferentes pontos da categoria, por entender que a força do sindicato está na união de sua base, na coerência e democracia de sua diretoria.