Por Angela Antunes de Souza

O Novembro Negro é um importante período para reflexão e homenagem à luta e a resistência negra brasileira. Uma data simbólica construída a partir de estudos do poeta Oliveira Silveira e outros militantes e intelectuais negros e negras do Grupo Palmares, sediado em Porto Alegre, ainda na década de 1970.

Durante este mês diversas atividades foram organizadas para homenagear o Dia da Consciência Negra e fortalecer a luta contra o racismo, dando ênfase e centralidade à compreensão de que a luta de classes se entrelaça com a questão racial.
 

A CTB está entre as mais de 40 entidades do movimento sindical, negro e social que integram a organização do Novembro Antirracista Unificado. Os encontros ocorreram semanalmente, sediados a cada semana por uma entidade, para organização do calendário de atividades e construção da Marcha Independente Zumbi e Dandara. O calendário possui mais de 50 programações que incluem feiras, oficinas, sessões especiais de cinema, lançamentos de documentários e livros, shows, rodas de conversa, ações nos quilombos urbanos e sarau poético.

Além da Marcha Zumbi e Dandara, que ocorrerá em Porto Alegre no dia 20/11, destacam-se a abertura no novembro unificado, realizada no dia 04/11, com cerimônia de homenagem ao Bará do Mercado Público, a homenagem  aos Mestres Griôs e Griottes  de diversas áreas, no dia 30/11 e a Marcha das Mulheres negras, que ocorrerá em Esteio no dia 19/11.

O Sintergs, sindicato filiado à CTB, é organizador da atividade “Roda de conversa: Mulheres negras, racismo e os impactos na saúde mental" que ocorrerá no dia 22/11/2022, e contará com painelistas das áreas de educação, cultura e saúde ligadas ao funcionalismo e a movimentos sociais.


Também foi elaborada a carta aberta do Novembro Antirracista Unificado, expressão maior da necessidade de transformar as discussões e problematizações em ações concretas de afirmação e enfrentamento ao preconceito, discriminação, exclusão, exploração e violência que compõem o quadro cotidiano dos negros e negras.

É preciso destacar que tanto na homenagem aos Griôs e Griottes, quanto na organização da Marcha e das falas, o coletivo teve o cuidado de garantir a paridade de gênero, fazendo com que se destacasse a importância da mulher negra na luta e resistência política, cultural e social.

A construção do Novembro Antirracista Unificado com a participação de diversas entidades demonstra que esta luta deve ser de todos e todas, Precisamos de uma sociedade justa e igualitária e para isto, não basta as instituições demonstrar que apoiam a igualdade racial, através de comerciais e lives no mês de novembro, é necessário também ter, de fato, políticas e ações antirracistas no seu cotidiano.

Com a eleição de Luís Inácio Lula da Silva para a Presidência da República, espera-se que as politicas de reparação histórica, ações afirmativas e combate institucional às práticas racistas tenham novamente lugar e momento para vencer essa chaga que massacra milhões de cidadãos brasileiros, ajudando a construir uma nova visão de nação e sociabilidade.

O Movimento Negro segue firme, forte e coeso na sua decisão de enfrentar a realidade num sentido de transformação democrática e humana, pois não basta ser contra o racismo, é preciso combatê-lo.

Veja aqui a programação:

Calendario-Novembro-Antirracista-Unificado


*Diretora do SINTERGS