O Fórum das Centrais Sindicais, representado por Guiomar Vidor, presidente da Fecosul e CTB, participou de audiência pública na Comissão de Economia da Assembleia Legislativa do Estado. O tema da audiência foi o Piso Regional e seus reflexos na economia. Coordenou a Audiência Pública o Relator PL 35/2020, deputado Dalcisio Oliveira.

Guiomar Vidor apresentou os argumentos dos representantes dos trabalhadores, destacando os seguintes itens:

- Estamos falando de um reajuste que tem como base o ano de 2019, no qual o aumento da Cesta Básica, calculado pelo DIEESE, de jan. 2019/ Jan. 2020 em Porto Alegre foi de 13,89%, percentual três vezes superior ao que está sendo concedido ao Mínimo Regional, de 4,5%. Esse aumento afeta principalmente as pessoas que ganham o Piso, que ganham menos, já que proporcionalmente o peso da cesta básica é maior, quase 50% de sua renda.

- O Mínimo Regional atinge diretamente mais de 1,3 milhões de trabalhadores gaúchos, os que menos ganham e mais precisam. São mais de 330 mil domésticos, mais de 250 mil assalariados rurais, trabalhadores das categorias menos organizadas e mais frágeis.

 - O Mínimo Regional é um importante instrumento de distribuição de renda e de fomento do comércio local, em especial o pequeno comércio e a pequena indústria.

- As Centrais reivindicaram, junto ao governo do estado, um reajuste de 8,12%, para repor o valor de 1,3 salário mínimo de quando o piso foi criado. Dada a conjuntura econômica, abrimos mão desta reivindicação e passamos a apoiar o projeto oriundo do Governo Eduardo Leite, mesmo sabendo que é insuficiente.

No final de sua fala, o presidente da CTB-RS e da Fecosul ainda destacou a crise e a quem ela mais afeta. “Se estamos vivendo uma crise, ela está atingindo a todos, mas muito mais os mais pobres, os que menos ganham e vivem numa situação mais precária, piorar ainda mais a vida destas pessoas não pode ser o papel do poder legislativo, que deve se guiar pela busca da justiça e do equilíbrio social”, apontou.

Por fim, convocou os trabalhadores para participarem da luta. “Considero importante a mobilização de todas as categorias junto aos deputados estaduais para que possamos garantia a urgência da votação e aprovação do projeto encaminhado pelo governo do Estado, mesmo que momentaneamente não atenda a integra de nossas reivindicações”, reafirmou Vidor