A prorrogação por três anos para os financiamentos de Custeio e a parcela de Investimento com vencimento este ano seja jogada para o final do contrato. Esse é o teor da Medida Provisória (MP) que a FETAG solicitou, no último dia 28/11, através de seu vice-presidente, Nestor Bonfanti, durante reunião com Neri Geller, secretário Nacional de Política Agrícola do Ministério da Agricultura (MAPA).

Bonfanti lembra que o Manual de Crédito Agrícola prevê que quando ocorre frustração de safra ou perdas devido a queda de preços, é dado ao agricultor o direito de prorrogar o financiamento de Custeio por até três anos. A resolução atual, que ampara hoje apenas o Banco do Brasil, é mais restritiva do que o próprio Manual de Crédito. “Que a MP contemple também os que buscaram recursos junto às cooperativas de crédito, entre elas a Cresol e o Sicredi, e tenham seus financiamentos parcelados. Geller acredita que não haverá problema para atender o pleito da FETAG”, disse Bonfanti. A audiência foi solicitada pela Frente Parlamentar da Agricultura Familiar, que é presidida pelo deputado Heitor Schuch, e contou ainda com as presenças dos deputados Assis Miguel do Couto, do Paraná, e de Celso Maldaner, de Santa Catarina.

Fonte: Fetag-RS