O Sindicato dos Metalúrgicos moveu uma ação, ainda em setembro de 2019, para o pagamento de insalubridade aos funcionários da empresa Fras-Le, que faz parte do grupo Randon. O pedido requereu o pagamento de 40% sobre o salário mínimo referente a insalubridade de funcionários da fábrica.

Houve, no andamento do processo, perícias judiciais acompanhadas de representantes do Sindicato dos Metalúrgicos para verificar a situação e foi constatada a necessidade do pagamento de insalubridade retroativo ao mês de setembro de 2014 para alguns setores.

Em sentença recente, a justiça determinou que, até então, trabalhadores dos setores SIBLO e SIPAS  têm direito ao valor. Além dos setores citados em que a insalubridade já foi garantida pela justiça outros setores da mesma empresa ainda aguardam sentença.

Para o presidente do Sindicato, Sr. Assis Melo, a saúde dos trabalhadores e trabalhadoras é uma questão importante e não somente o lucro “ao não pagar a insalubridade, isso reflete também na aposentadoria desses trabalhadores e trabalhadoras, causando assim um prejuízo triplo, pois a empresa nega o valor da insalubridade mensal, prejudica a saúde das pessoas que trabalham com produtos perigosos e ainda compromete a aposentadoria especial dessas pessoas. Portanto, esperamos que a empresa tenha sensibilidade e não busque utilizar mecanismos de recursos judiciais somente para protelar o pagamento desses direitos”, completa o líder sindical.

A decisão da justiça ainda é passível de recurso pelas partes, portanto, até que haja o trânsito em julgado da ação, novas informações acerca da alteração na decisão e recursos junto aos tribunais serão informadas nos canais oficiais do Sindicato dos Metalúrgicos.