Na manhã desta terça-feira (27), a FETAG-RS esteve em reunião na sede do Ministério da Agricultura e Abastecimento – MAPA em Brasília, com a participação da Secretaria Especial da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário – SEAD, Ministério da Fazenda e também do Ministério do Desenvolvimento Social tratando sobre a operacionalização as ações propostas em reunião na última semana para amenizar os prejuízos causados pela estiagem na região sul do estado e a crise do leite.

Infelizmente o governo federal não vê a séria crise que se alastra no estado. “Ainda estão em situação de dormência” avalia o presidente da FETAG-RS Carlos Joel sobre o posicionamento do governo. Os assessores técnicos da federação Marcio Langer e Kaliton Prestes estiveram dialogando com técnicos dos ministérios pela manhã e o resultado foi praticamente nulo.

O Ministério da Fazenda afirma que não há recursos para poder publicar a resolução que prorroga as dívidas dos agricultores atingidos pela estiagem e granizo, pois não estava previsto na dotação orçamentária do plano safra, dependendo desta forma a aprovação de lei na câmara dos deputados, um processo longo para os agricultores que já estão enfrentando sérias dificuldades.

Ainda, quanto a compra institucional de 50 toneladas de leite, o governo afirma que não é possível realizá-la pelo preço médio do leite no estado ser maior que o preço mínimo na CONAB. Mais uma frustração para a cadeia leiteira, pois esta compra institucional desafogaria o mercado e regularia minimamente a situação.

Quanto a linha de financiamento emergencial solicitada pela Federação para atender os agricultores que enfrentaram severa estiagem e posterior granizo, o governo afirma que não há recursos para liberação.

Mais uma vez a agricultura do estado pagará uma alta conta com a desestruturação de suas propriedades e a limitação de suas famílias, pela incapacidade do governo federal visualizar a importância do setor para a economia e a sustentabilidade vital da sociedade.

Texto: Assessoria Fetag