O Neoliberalismo vem demonstrando a cada dia que nada tem a oferecer de bom aos trabalhadores do Brasil e do Mundo. Primeiro veio a globalização, depois a flexibilização de direitos, agora a crise financeira mundial que projeta recessão e desemprego mundo afora.

Neste contexto, o Brasil, inicialmente com o Governo Lula e agora com Dilma, tem conseguido responder à crise com mais desenvoltura que os países desenvolvidos, ampliando os investimentos do estado nas áreas econômica e social e apostando no fortalecimento do mercado interno com a implantação de uma política de valorização do salário mínimo. Precisamos avançar mais. A taxa de juros ainda é a mais alta do mundo. O superávit primário precisa ser reduzido para que o estado invista mais em infra-estrutura, saúde e educação. A desvalorização da moeda, para estancar o processo de desindustrialização em curso no país.

Os trabalhadores querem um novo projeto nacional de desenvolvimento com valorização do trabalho, com soberania e mais democracia. Liberdade de imprensa para todos e não apenas para os grandes meios de comunicação. Queremos um movimento sindical cada vez mais forte e combativo, com direito à organização por local de trabalho e preservação da unicidade sindical.

Para tanto, desencadeamos este movimento aqui em nosso estado, para reforçar a luta nacional em defesa da CLT e da Organização Sindical.

Precisamos intensificar a nossa mobilização, para que unidos avancemos rumo a novas conquistas para a classe trabalhadora, na qual queremos contar com o apoio dos Deputados e Senadores de nosso Estado.

·        Por uma política permanente de valorização do Salário Mínimo Regional(RS).

·        Pela rejeição do atual PL 1.463/2011, que cria o Código do Trabalho e flexibiliza os direitos trabalhistas;

·        Pela redução da Jornada de Trabalho para 40 horas semanais;

·        Pela estabilidade para os Dirigentes Sindicais e Membros Eleitos da CIPA PL 6.706/2009 e pelo direito de organização no local de trabalho;

·        Contra a PEC 369/05 e a convenção 87 da OIT(pluralidade sindical)

·        Pela aprovação da convenção 158 da OIT;

·        Pelo Fim do Fator Previdenciário;

·        Pela valorização das aposentadorias;

·        Pela Regulamentação da Lei de Greve e pela extinção do Interdito Proibitório;

·        Pela regulamentação da Contribuição Assistencial - PL 6.708/2009;

·        Pela Manutenção da Contribuição Sindical;

·        Pela revogação do § 2º, do Art. 114 da Constituição Federal (Comum Acordo DC.);

·        Pela regulamentação da terceirização. Não à precarização.

·        Pelo fortalecimento do Ministério do Trabalho e Emprego.

 

Porto Alegre, 11 de novembro de 2011.

Fórum Sindical dos Trabalhadores Gaúchos