Tesoureiro da Fetag e vice-presidente da CTB-RS, Sérgio Miranda: casa própria é o sonho de milhares de trabalhadores.

O auditório da Fetag esteve lotado na manhã do dia 15/5 para o Encontro Estadual dos Beneficiários da Habitação Rural promovido pela Cooperativa Habitacional da Agricultura Familiar (COOHAF), que completou dez anos com mais de 11 mil beneficiados. Várias homenagens foram prestadas para lideranças sindicais que tiveram e ainda têm participação ativa nesta que é considerada a maior cooperativa de habitação rural da agricultura familiar do Brasil e uma das maiores da América Latina. À tarde, o Grande Expediente da sessão plenária da Assembleia Legislativa foi ocupado pelo deputado Heitor Schuch, ex-presidente da Fetag, que prestou homenagem à fundação COOHAF. O plenarinho também ficou lotado. 


O presidente da Ocergs, Vergilius Périus, foi o primeiro a falar e afirmou que a Fetag tem muitos filhos, mas a ele parece que a Coohaf é um dos prediletos. Comparou a casa a uma mãe, que é considerada um porto seguro, onde se consegue paz e harmonia. “Parabéns à Fetag, que através de sua cooperativa constroi casas para construir a sociedade”, comparou.


Em seguida, Gustavo Minhardt Neto, supervisor da CEF, fez questão de salientar a parceria e a admiração que tem pelo presidente da COOHAF, Juarez da Rosa Cândido, e o seu vice-presidente, Sérgio de Miranda, também tesoureiro-geral da Fetag. Gustavo revelou que nos últimos anos, a CEF está dando muita importância à habitação rural. Como prova disso citou a nova nomenclatura de sua pasta: Gerência de Desenvolvimento Urbano e Rural, até então apenas urbana. “O segmento habitacional rural está cada vez mais fortalecido”, garantiu.


O chefe de Gabinete do deputado Heitor Schuch, Anselmo Piovesan, representou o parlamentar pela manhã, que esteve participando das comemorações dos 50 anos de fundação do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Venâncio Aires. A exemplo de Gustavo, Piovesan igualmente ressaltou o trabalho de Juarez e de Miranda na condução da cooperativa ao longo desta década. “É um dia para comemorarmos, pois estamos conseguindo construir e reformar casas para os agricultores familiares, por meio de programas bem elaborados que estão mudando a vida de milhares de pessoas”, justificou.


Miranda, por sua vez, ressaltou que a casa continua sendo um sonho para milhares de famílias e o Brasil ainda tem uma dívida grande com a habitação rural. O dirigente lembrou que a caminhada teve muitos espinhos e a primeira diretoria teve a ousadia em colocar na pauta do Grito da Terra Brasil o pedido por recursos para habitação rural. “Hoje temos que valorizar o que já se conquistou, mas muito ainda temos que fazer”, projetou.   


Antes de encerrar as atividades na Fetag, Juarez Cândido reconheceu que se não fosse a Fetag, simplesmente a COOHAF não existiria. Ainda agradeceu à CEF, por seus programas sociais com baixos custos; à Ocergs, que sempre apoia suas filiadas; ao Sicredi, que garante a contrapartida com recursos desde os primeiros programas; e à Afubra, que tem um expressivo número de beneficiários da COOHAF como produtores de fumo. Ele encerrou citando a missão da COOHAF: lutando pela qualidade de vida do homem do campo.  


Fonte: Assessoria de Imprensa Fetag