O Ramo das Cooperativas de Trabalho no Rio Grande do Sul foi o tema da audiência pública desta quinta-feira (10), na Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo. Parlamentares e convidados criticaram a atuação do Ministério Público do Trabalho.

O presidente do órgão técnico, deputado Ernani Polo (PP), agradeceu a presença de todos e destacou a importância do debate, principalmente no ano dedicado pela Organização das Nações Unidas ao Cooperativismo. "Queremos dar soluções efetivas e garantir a continuidade dos trabalhos prestados através das cooperativas de trabalho aqui em nosso Estado", defendeu o parlamentar.

O deputado Heitor Schuch (PSB), proponente e coordenador da segunda parte da audiência pública dessa manhã, sublinhou a importância de se trazer o tema das cooperativas de trabalho para ser debatido na Assembleia gaúcha. "Ficou para todos muito claro que o Ministério Público do Trabalho precisa parar de fazer estes Termos de Ajustamento de Conduta, que proíbem os tomadores de serviços de contratar as cooperativas de mão de obra", sustentou. Para Schuch, a legislação existente sobre o cooperativismo precisa sofrer algumas alterações e isto precisa ser feito com a colaboração dos entes que cuidam das questões relativas ao trabalho.

O deputado Edson Brum (PMDB) pediu que o tema das cooperativas de trabalho seja visto sem preconceitos, embora existam maus empresários que utilizem estas entidades para explorar e fraudar direitos sociais de trabalhadores. Ele defendeu a atuação do Ministério Público do Trabalho para desmascarar as falsa cooperativas de trabalhadores.

O deputado Gerson Burmann (PDT) sublinhou que é necessário separar as cooperativas de trabalho que agem na legalidade daquelas que são utilizadas para explorar os trabalhadores. Ele acredita que as cooperativas de trabalho ajudam a diminuir a informalidade.

ManifestaçõesO procurador do Ministério Público do Trabalho, Paulo Joarês Vieira, salientou que a atuação do órgão que representa tem como finalidade a defesa dos direitos sociais dos trabalhadores e é nesse sentido que as cooperativas geram preocupação, relatou.

Vieira afirmou que Ministério Público do Trabalho atua quando recebe denúncias de irregularidades. "Quando se conclui que há irregularidade, o Ministério Público do Trabalho propõe um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com os tomadores de serviços. Quando a questão não é resolvida com o TAC é aberta uma ação civil pública para buscar a solução da irregularidade" esclareceu.

Para o procurador, há um combate efetivo às irregularidades promovidas por empresas que se utilizam da roupagem de cooperativas de trabalho. Ele também defendeu a criação de legislação federal específica para regular a atividade das cooperativas de trabalho como forma de proteger os trabalhadores e inibir as fraudes.

O presidente da Fetrabalho do Rio Grande do Sul, Paulo Sérgio Dias, considera incoerente a posição do Ministério Público do Trabalho, que diz defender o cooperativismo, mas propõe TACs com tomadores de trabalho para que não contratem cooperativas de trabalho.

O presidente do Sistema Ocergs/Secoop, Vergílio Perius, defendeu as cooperativas de trabalho, que proporcionam um melhor nível de vida para seus associados. Ele sublinhou que as ações desenvolvidas pelo Ministério Público do Trabalho têm causado uma forte redução nas cooperativas de trabalho no Rio Grande do Sul, motivada pela assinatura de Termos de Ajustamento de Conduta com prefeituras e empresas privadas. "O cooperativismo no Estado cresce em todos os ramos, menos nas cooperativas de trabalho", lamentou.

Perius pediu que o Ministério Público do Trabalho seja mais sensível e leve em consideração o lado social das cooperativas de trabalho, que são geradoras de emprego e renda e reinserem pessoas que tiveram conflitos com a lei no mercado de trabalho.

O advogado Marco Túlio De Rose, representante da Unimed, sugeriu que se busque um consenso capaz de estabelecer parâmetros legais que possibilitem as coperativas de trabalho se adequarem e continuarem existindo e prestando serviços à sociedade.

Reunião ordináriaAntes da audiência pública, a Comissão de Agricultura realizou sua reunião ordinária. Os parlamentares aprovaram o requerimento de audiência pública, proposto pelo Insituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), para debater os problemas enfrentados pelo setor vitivinícola gaúcho.

Também participaram da reunião ordinária e da audiência pública os deputados Aloísio Classmann (PTB), Edegar Pretto (PT), Jeferson Fernandes (PT), Valdeci Oliveira (PT), Alceu Barbosa (PDT), Lucas Redecker (PSDB), além de representantes da Secretaria de Desenvolvimento Rural, Fetracesp, Sincotrasp, entre outras entidades e coperativas de trabalho do Rio Grande do Sul.

© Agência de Notícias
As matérias assinadas pelos partidos políticos são de inteira responsabilidade dos coordenadores de imprensa das bancadas da Assembleia Legislativa. A Agência de Notícias não responde pelo conteúdo das mesmas.

Fonte: Luiz Osellame - MTB 9500 (Agência de Notícias da Assembleia Legislativa)