Símbolo da Comissão Estadual de Jovens Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (CEJTTR)
Acesso à terra, inclusão digital, educação rural, profissionalização, geração de renda, cooperativismo, irrigação,infraestrutura, saúde, cultura, esporte e políticas públicas. Esses foram os motivos que fizeram mais de 1,2 mil jovens rurais marchar por algumas das principais ruas e avenidas da Capital durante a III Marcha Estadual da Juventude Rural promovida pela Fetag e sua Comissão Estadual de Jovens Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (CEJTTR).

A 1ª secretária e coordenadora de Jovens da Federação, Josiane Einloft, acredita que os jovens organizados avançam nas conquistas de políticas públicas. “ O desafio é manter sempre acesa a chama da ousadia na busca por melhores oportunidades de acesso à educação, ao lazer e à qualificação profissional. Com a construção de propostas concretas de melhoria de vida do jovem agricultor, viabilizamos a sua permanência no campo com dignidade”, justifica.

Os ônibus começam a chegar a partir das 7h no Centro de Eventos Casa do Gaúcho, no Parque da Harmonia. Às 9h30min foi montada a mesa de abertura, o protocolo e os pronunciamentos. Às 10h30min o agrônomo Ainor Lotério falou dos eixos temáticos da III Marcha Estadual da Juventude Rural. A marcha começou às 14h com duas paradas previamente programadas: a primeira em frente ao prédio do MDA e a segunda no Palácio Piratini / Assembleia Legislativa, oportunidades em que forão entregues pautas de reivindicações na Delegacia Federal de Ministério do Desenvolvimento Agrário, na Assembleia Legislativa, ao governador do Estado e demais secretarias, bem como a entidades que possam contribuir com a luta da juventude. Na praça da Matriz ocorreu algumas místicas e o encerramento aconteceu por volta das 17h.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Fetag-RS