Segunda rodada de negociação do dissídio dos metalúrgicos termina sem contraproposta ao índice salarial reivindicado.

Os metalúrgicos saíram da segunda rodada de negociação entre trabalhadores e a classe patronal nesta campanha salarial 2012, realizada nesta segunda-feira (18/6), na Ftec Caxias, sem uma proposta de índice. A boa notícia é que os empresários sinalizaram a intenção de atender as cláusulas sociais reivindicadas pela categoria. A pauta de reivindicações dos Trabalhadores inclui reajuste de 10% e 71 cláusulas sociais como fixação do piso da categoria em R$ 1 mil. A negociação desta segunda-feira contou com a presença do presidente licenciado da entidade, deputado federal Assis Melo.


2011 foi um ano de grande produção e lucros para as empresas caxienses. Algumas delas registraram até 16% de crescimento. “As empresas faturaram o equivalente a 15 meses nos 12 de 2011 graças ao empenho dos metalúrgicos.  Trabalhamos e contribuímos para o crescimento da economia e nos empenhamos numa grande luta em defesa da indústria nacional - ao lado dos empresários -, por isso os metalúrgicos merecem e têm o direito a melhores salários e condições dignas de trabalho”, defende Leandro Velho”, afirma o presidente em exercício do Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias do Sul e Região, Leandro Velho.


Perspectivas de crescimento

Somado aos bons resultados no ano passado, há ainda as perspectivas animadoras para o segundo semestre. “Sabemos que o setor voltará a crescer na segunda metade do ano porque o estoque de motores Euro 3 está terminando. E os patrões sabem disso. Caso contrário, não estariam anunciando fortes investimentos para o período”, argumenta Velho.


Embora continuem chorando a desaceleração na produção no primeiro trimestre de 2012, o presidente do Simecs, Getúlio Fonseca admitiu nesta segunda-feira que Caxias do Sul não passa por um processo de desindustrialização. Os números negativos, reconheceu o empresário, são setorizados e reflexo da queda de vendas do setor de caminhões em função de mudanças da norma Euro 5 e já fala que a expectativa é que medidas anunciadas pelo governo nos últimos meses, como a desoneração em 20% da folha de pagamento, a redução de juros, incentivos à política industrial e valorização do dólar, resultem na retomada do crescimento no segundo semestre.


A próxima rodada de negociação será quinta-feira, dia 21, quando os empresários devem apresentar contraproposta. Diariamente, o Sindicato está realizando assembleias nas fábricas para discutir o dissídio e as propostas dos empresários.


Claiton Stumpf - MTb 9747 - Ilume Comunicação Integrada