Sindicato realizou assembleia na frente da Fras-le para informar os trabalhadores sobre a controvérsia dos empresários.
Os 800 trabalhadores do segundo turno da Fras-le S.A., localizada na RS-122, paralisaram as atividades por cerca de duas horas na tarde desta quarta-feira (20/6). Eles participaram de uma assembleia realizada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias do Sul e Região, na qual debateram sobre as dificuldades enfrentadas na negociação do dissídio salarial deste ano em contraposição aos bons resultados das empresas, divulgados em publicações legais. 

Durante a conversa, o presidente em exercício do Sindicato dos Metalúrgicos, Leandro Velho, informou aos trabalhadores sobre o comunicado emitido pela Fras-le aos investidores, nesta quarta-feira. De acordo com balanço divulgado, a receita líquida da empresa no mês de maio foi de R$ 63,4 milhões. O valor é 28,6% maior que o mesmo mês no ano passado. Ainda conforme a empresa, no acumulado do primeiro quadrimestre de 2012, a receita bruta total da Fras-le foi de R$ 372,1 milhões, o que representa um acréscimo de 19,3% em relação ao acumulado no mesmo período do ano anterior. 

O representante dos trabalhadores na negociação observou que os empresários estão tentando desmobilizar a categoria com ameaças de demissão, mas isso não vai demovê-los de lutar pelo reajuste salarial de 10%. “Eles demitem como sempre demitiram. Não é o salário do trabalhador que torna as empresas menos competitivas. É, sim, a falta de investimento em tecnologia e em melhores condições de trabalho”. De acordo com o presidente, o reajuste de 10% nos salários teria um impacto de 1% do faturamento, visto que a folha representa apenas 10% dos custos de produção. 

O membro do Conselho Fiscal do Sindicato e funcionário da Fras-le, Jorge Rodrigues, convocou os colegas a estarem preparados para paralisar as atividades, caso os patrões continuem sendo intransigentes e negando o reajuste reivindicado. “Trabalhamos e ajudamos a empresa a lucrar. Não há nada de errado no fato do patrão comprar um avião, mas o trabalhador tem que ter o direito de pelo menos comprar uma bicicleta, por isso vamos participar da assembleia geral, sábado, e decidir o futuro da categoria”. 

Nesta quinta-feira (21/6), será realizada na Ftec Caxias, a terceira rodada de negociação com o sindicato patronal. No encontro, os empresários devem apresentar uma contraproposta, que será discutida pelos trabalhadores em assembleia geral, sábado, às 9h, na sede do Sindicato dos Metalúrgicos (Rua Bento Gonçalves, 1.513, em Caxias do Sul).

Fonte: Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias do Sul