Vicente ao lado dos vereadores, Sérgio Seibert, Victor de Souza e integrantes do Conselho Geral do Sindicato dos Sapateiros.

Na última quarta-feira (30/5), na Câmara de Vereadores de Campo Bom aconteceu a última sessão do mês e a reunião foi marcada por homenagens. A primeira foi a Jenifer Pereira; quiropraxista que atua junto ao Centro de Saúde do Trabalhador. A  homenagem foi proposta pelo vereador Victor Fernando de Souza (PC do B). 


Na segunda homenagem da noite o Sindicato dos Sapateiros recebeu a homenagem pela passagem dos seus 53 anos de fundação. Diversos parlamentares utilizaram a tribuna. Os vereadores Sérgio Seibert do PSB e Victor de Souza do PC do B foram os autores da proposição e ao utilizarem a palavra ambos destacaram a luta e a importância do Sindicato na construção do progresso e desenvolvimento de Campo Bom, sempre pautado na defesa dos trabalhadores e seus direitos. 

 

Vicente e a defesa plena do sapato e do sapateiro

 

O presidente do Sindicato dos Sapateiros, Vicente Selistre em seu discurso  fez um resgate histórico da cidade, enfatizando que o Sindicato e Campo Bom se misturam em termos de história, pois ambos surgiram no mesmo ano, ou seja, o Sindicato surge em abril de 1959, no mesmo ano em que Campo Bom se emancipa. 


Vicente lembrou os ex-presidentes e suas contribuições, destacou o trabalho do Dr. Ernane Juchem que emprestou ao Sindicato um valor na época para a aquisição da sua sede própria. O presidente do Sindicato também lembrou que a vocação de Campo Bom sempre e foi e será a fabricação de sapatos, apeara de alguns arautos do pessimismo afirmarem que o sapato estava morto. “Hoje somos em trono de 7 a 8 sapateiros em Campo Bom, temos a melhor média salarial do Rio Grande do Sul e no país só estamos atrás de Franca e Birigui”, observa Vicente Selistre.


Selistre defendeu o sapato e o sapateiro, reafirmando que é preciso apostar na fabricação de sapatos de qualidade para agregara valor ao produto. O sindicalista que é também suplente de deputado Federal pelo PSB também  destacou que é preciso a criação de políticas públicas permanentes para  desenvolver o setor, gerar empregos e alavancar o desenvolvimento, dando mais qualidade de vida aos sapateiros.


O presidente do Sindicato em seu discurso na tribuna do parlamento campo-bonense lembrou que participou recentemente do Grito de Alerta movimento organizado por lideranças sindicais e empresariais em defesa da indústria brasileira. 

 

Sindicato: superávit e telões

 

Ao encerrar seu pronunciamento Vicente Selistre  destacou os serviços que o Sindicato oferece aos associados e seus dependentes. O líder sindical também  comemorou o superávit que o Sindicato obteve  em 2011 na ordem de quase 100 mil reais. Vicente aproveitou para  lembrar que em 2008 em função do fechamento de várias empresas na cidade, alguns políticos diziam e apresentava em telões números de um pequeno déficit que o Sindicato teve em função do fechamento destas empresas em especial a Reichert de que o Sindicato fecharia ainda naquele ano. “ Tivemos um superávit e não espalhamos telões por aí para propagandear, investimos na manutenção do patrimônio do Sindicato, pintura  dos prédios, troca de ar condicionado (split), compra de um veiculo novo, remodelação de salas (fiscalização e jurídica) e a compra de um moderníssimo gabinete odontológico. O dinheiro do sapateiros para nós do Conselho Geral é sagrado”, destacou Vicente Selistre que no final recebeu das mãos dos vereadores proponentes e do presidente da Câmara, Sadi dos Santos (PMDB) uma plava  em homenagem aos 53 anos de fundação do Sindicato dos Sapateiros.


Fonte: Assessoria de Imprensa do Sindicato dos Sapateiros de Campo Bom