Vice-presidente da CTB Nacional, Vicente Selistre é uma voz forte do sindicalismo brasileiro e é presença garantida no México.

O vice-presidente nacional da CTB, Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (A Central que mais cresce no país), Vicente Selistre que também é presidente do Sindicato dos Sapateiros de Campo Bom  embarca neste sábado (19.05), com destino ao México onde participará na capital; Cidade do México do quinto Encontro Sindical Nossa América. 


O evento acontecerá de 21 a 23 de maio e tem por objetivo primordial ratificar a importância de a classe trabalhadora articular a integração no continente, como forma de se contrapor à crise econômica internacional e fortalecer sua soberania. 


O capitalismo está atravessando uma grande e profunda crise mundial, evidenciada desde 2007-2008 e sem uma finalização a curto prazo. Essa crise está sendo utilizada como chantagem pelas classes dominantes e os organismos internacionais. Em conjunto, as forças do poder mundial assumem decisões contra a qualidade de vida e renda dos trabalhadores e de outros setores populares.


Nossa América e seus desafios


Diante dessa situação, nosso desafio como ESNA aponta para instalar um modelo sindical que assuma integralmente a problemática dos trabalhadores, promovendo debates e o fortalecimento de vínculos entre as organizações sindicais territoriais e setoriais, como expressão de um novo sindicalismo que luta pela unidade da classe trabalhadora, para tornar realidade uma perspectiva anticapitalista, emancipadora e pelo socialismo. 


O vice-presidente nacional da CTB, observa que  o modelo sindical que propomos tem em sua base a UNIDADE NA AÇÃO E A NA LUTA DE  NOSSA CLASSE TRABALHADORA para transitar desde essa sociedade capitalista em crise, excludente e injusta, para uma socialista, emancipadora, sem explorados e nem exploradores. Em NOSSA AMÉRICA está em discussão o modelo produtivo de inserção subordinada na divisão imperialista do trabalho, na qual a região resulta provedora dos bens comuns, os recursos naturais, demandados pelo capitalismo desenvolvido. 


Esse modelo produtivo define o padrão de consumo que empobrece os trabalhadores e os povos do mundo. Por isso, a partir do ESNA lutamos pela distribuição progressiva da renda, e especialmente a distribuição da riqueza. Estamos convencidos que devemos lutar contra o modelo de produção capitalista e definir que são os trabalhadores e os povos que devem decidir o que produzir, para quem e como. É parte inseparável da luta que desde 2008 temos produzido no ESNA. 


Defesa do Sapato e do  Sapateiro 


Vicente destaca que este encontro será importante para a troca de experiências e informações com lideres sindicais de outros países, sobretudo ligados ao setor calçadista. Uma das preocupações de Vicente Selistre são as empresas que deixam seus países ou até mesmo seu Estado por conta da guerra fiscal ou até mesmo do descaso das autoridades como foi o caso em Campo Bom onde muitas empresas fecharam suas portas ou foram embora para o nordeste e até para outros países por falta de apoio do governo municipal da época. Selistre defende que as empresas que recebem auxilio dos governos garantam os empregos e se desejarem deixar o local que devolvam o valor recebido. O vice-presidente nacional da CTB defende a criação de políticas públicas permanentes em defesa do sapato e do sapateiro. Em sua viagem ao México Selistre pretende dialogar bem de perto com os sindicalistas da Nicarágua e da Argentina; países onde muitas empresas daqui do Vale e inclusive de Campo Bom estão com fábricas explorando mão de obra barata.


Sindicato dos Sapateiros de Campo Bom